CAJON DEL MAIPO | CHILE | 2015
34°09′38″S 69°49′58″O

 
 

ONE OF THE FIRST THINGS I noticed after arriving at Santiago airport was a photographic display panel accompanied by a sentence stating "Chile is a country of contrasts". Immediately, I thought of the colours I could shoot, but what I did not realise is that those words could also be a warning, like "enjoy in moderation".

San José de Maipo was about two hours by car from Santiago de Chile. After that point, I did not pay more attention to the time, after all, we were on a dirt road towards the Cajon del Maipo, full of magnificent landscapes that surprised us at every turn.


ALTITUDE: 3000 mts.
TEMPERATURE: -3°C
AIR HUMIDITY: 15%
 



UMA DAS PRIMEIRAS COISAS que notei ao desembarcar no aeroporto de Santiago, no Chile, foi um painel luminoso fotográfico acompanhado de uma frase que afirmava que aquele é um país de contrastes. Imediatamente pensei nas cores que eu poderia fotografar, porém não pensei que aquelas palavras poderiam ser também um alerta do tipo: aprecie com moderação.

De Santiago à pequena San José de Maipo foram cerca de duas horas de carro. Depois desse ponto eu não prestei mais atenção no horário, afinal, pegamos um pequena estrada de terra, em direção a Cajon del Maipo, repleta de paisagens magníficas que nos surpreendiam a cada curva.


ALTITUDE: 3000 mts.
TEMPERATURA: -3°C
UMIDADE DO AR: 15%
 


 
 

The temperature dropped sharply and icy wind that raised dust bordered on unbearable as we walked. The humidity was extremely low and as we climbed, the typical symptoms of altitude arose. Headaches, shortness of breath, dry eyes, nose and mouth among other strange and indescribable sensations. Nevertheless, I did not want to miss any detail. I wanted to photograph.

Gradually, I emptied my pack: coat, scarf, cameras, water, food. Everything became extremely necessary, specially gloves which unfortunately i forgot at home.



A temperatura caía bruscamente e o vento gelado que levantava a poeira beirava o insuportável quando fazíamos os trajetos a pé. A umidade do ar era baixa e conforme subíamos, os sintomas típicos da altitude surgiam. Dores de cabeça, falta de ar, ressecamento dos olhos, nariz e boca, entre outras sensações estranhas. Apesar disso, eu não queria perder nenhum detalhe; eu queria fotografar.

Aos poucos a mochila foi esvaziando: casaco, gorro, cachecol, aparelhos fotográficos, água, comida; tudo era necessário, até mesmo as luvas que eu esqueci de levar.


 
 

The landscapes were indescribable and magnificent, revealing a surprising diversity. Valleys, streams, springs gushing water (believe it or not it was gushing water at temperature 20°C), makeshift bridges with wooden slats, snow (at a time which does not usually snow), ruins, cliffs, among many other things that made photographic experience to be painful but unforgettable.



As paisagens, indescritíveis, nos revelavam uma diversidade surpreendente e magnífica. Vales, riachos, nascentes que jorravam água a inacreditáveis 20°C, pontes improvisadas com ripas de madeira, neve (numa época que não costuma nevar), ruínas, penhascos, entre muitas outras coisas que fizeram a experiência fotográfica ser penosa, porém inesquecível.


 
 

In short, pain, crazy symptoms and lush landscapes. That's how I discovered that Chile is truly a country of contrasts. And that's precisely why I want to return, and precisely why I needed to visit Santiago's hospital the next day.



Em suma, frio, dor, sintomas loucos e paisagens exuberantes. Foi assim que descobri que o Chile é realmente um país de contrastes. E é exatamente por isso que eu quero voltar, mesmo tendo precisado ir ao hospital às pressas no dia seguinte.